Educando com solidariedade

São muitos os elementos que dão os fundamentos necessários para a Educação, essa com E maiúsculo, que acompanhará o cidadão por toda sua vida. O conhecimento, a vivência em grupo, a responsabilidade, o respeito... Tudo isso combinado vai deixando suas marcas na personalidade de cada um. A Escola e a Família são os condutores dessa educação. É necessário levar a criança, o jovem, a conhecer o mundo além da sala de aula e da sala de estar.

O elemento a ser discutido neste momento é a solidariedade. No artigo abaixo, reproduzido parcialmente, a solidariedade apresenta-se como uma experiência que transforma o sujeito.

“Solidariedade, uma experiência transformadora - Diogo Luiz, Santana Galline

A educação para a solidariedade é um processo de emancipação das pessoas envolvidas, que concede ao ser a oportunidade de reconhecer a si e ao outro como sujeitos de direitos, autônomos e interdependentes, em um processo gerador de humanização. Entre os jovens, desenvolver o espírito solidário é considerado um grande desafio nos dias de hoje diante de tantas opções de atividades que eles podem ter acesso em suas horas livres. Mas experiências bem sucedidas no País mostram que os jovens têm sim vontade de exercitar a solidariedade. O que falta, talvez, é facilitar os primeiros contatos destes jovens com este mundo e atraí-los com ações bem estruturadas e que promovam de fato a educação para a solidariedade e não o simples assistencialismo.

As experiências vividas pelos jovens precisam inquietar e desacomodá-los. Os participantes devem retornar às suas realidades e perceber as injustiças sociais existentes, para que sejam agentes de transformação social e consigam, junto a outros jovens, mudar a realidade em busca de um mundo mais fraterno e justo”.

Fonte: http://www.dm.com.br/opiniao/2015/01/solidariedade-uma-experiencia-transformadora.html